segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Sobre aborto...

Nem só de flores e alegrias eu vivi...
Pra quem não sabe, a Beatriz não foi a minha primeira gravidez.
No final de 2008, engravidei pela primeira vez. E só depois que passei pela gravidez da Bia, percebi que a primeira tinha sido muito diferente... Foi um período inseguro, estranho... Eu não queria contar pra ninguém, mas... Contei a algumas pessoas e a notícia espalhou completamente!
Nesta época, ainda morava em Itabira e fiz minha primeira consulta ginecológica aqui em BH, com minha médica. Quando cheguei em Itabira, almocei e fui trabalhar. No meio do dia, havia um sujinho, escuro na minha calcinha. Pânico!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Liguei pra Lúcia  e ela pediu que eu fizesse um ultrassom. Marquei para o dia seguinte.
No ultrassom, o médico, que é um grande amigo, me recebeu de braços abertos! Todo alegre! Porém, nos primeiros segundos ele já mudou a feição... Perguntou se eu tinha certeza das datas... e por fim disse: O que vejo não corresponde com as datas que você me dá... Sinto muito, Luciana, mas essa gestação não me anima... Tem tudo pra evoluir para abortamento inevitável...
Morri..........................
Chorei........................
E ouvi várias pessoas... Vai pra BH! Repete o Ultrassom!
Fui sim!
Repeti sim!
E em BH, após uma semana, uma médica novinha, simpática, disse que estava tudo ótimo!
Coração batendo! 6 semanas! Nem assim eu relaxei... Meu coração apertava...
Voltei pra Itabira, trabalhar... Meu sangramento permaneceu. Um sangue escuro, grosso. Não parou nem um dia!
Minha médica pediu que eu repetisse o Ultra em 1 semana, com um médico de sua confiança.
E no dia 19/12, repeti o Ultrassom, dessa vez com um médico suuuuuuuuuuuuuuuuper bacana (coincidentemente, o mesmo que fez o Ultra da Translucência da Bia!)! Simpático, alegre, super conversado... Também vi a alegria se esvair do rosto dele, alguns segundos após o exame começar.
E ele foi categórico: Pode procurar sua obstetra. Não tem mais o que fazer. Agora você tem que fazer uma curetagem.
Só quem passa por isso tudo pra saber o que é mesmo... Chorar? Nem tenho palavras pra descrever o que a gente sente, sabe...
Liguei pra minha médica aos prantos... Era sexta feira a tarde, fim de ano... Ela, que já ia embora, ficou me esperando em seu consultório... E me consolou muito!
No sábado, fiquei quietinha em casa... E, aí sim, meu sangramento disparou, e desta vez cheio de esfacelos. A cólica aumentou, mas bem suportável.
No domingo trabalhei, com menos pique, claro! Mas acho que isso acabou por me ajudar na eliminação (tem que ter um lado positivo!).
Na segunda, marquei a aspiração uterina, que seria feita aqui em BH, no dia seguinte 23/12. E naquela tarde, trabalhando no SAMU, a dor aumentou enlouquecidamente!!! Conversava com uma médica, amiga minha, e ia parando... encolhendo... ritmadamente.
"Lu, vai pra casa... Já chega... Toma um remedinho pra dormir - Buscopan não pode. Jajá isso acaba..."
Ainda fiquei por um tempinho, mas a dor foi aumentando de maneira quase que insuportável e senti que alguma coisa descia... Muuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuito sangue!!!!
Corri pra casa! Tava meio trelélé, acho... Encontrei com um vizinho, também médico, na garagem de casa, que me mandou correr, quando viu o sangramento.
Quando entrei no chuveiro, tive coragem de tirar a calcinha e vi que tinha eliminado... Outra dor me dominou e mais uma vez chorei imensamente, como ainda não tinha chorado.
Estava sozinha em casa... Na época, morava em Itabira e meu marido aqui em BH.
Tivemos uma briga terrível pelo telefone a noite. Homens definitivamente tem dificuldade de entendimento de certas coisas... Principalmente quando tem em casa uma mulher independente e bem resolvida (sou eu!!!! rsrs). Sério!!!! Não entendem que as vezes a gente quer colo, e precisa disso! O bicho pegou neste dia...

No dia seguinte, fui pra BH com uma amiga do peito, a Ju. Não atendi a nenhum telefonema do meu marido. No final do dia, na clínica onde fiz a aspiração, ele apareceu para acompanhar o procedimento. 
Foi muito rápido! Durou 3 segundos, porque se durasse mais 2 acho que eu desmaiaria de tanta dor! Torço para que você não passe por isso, mas se vier a passar, indico que também faça este procedimento. Não necessita internação, anestesia e ainda sai andando! Muito tranquilo mesmo! Mas, dolorido...
Voltei para Itabira nesta mesma noite, ainda com um pouco de cólica, com o coração machucado e com  a certeza que uma nova mulher tinha nascido ali!

Aprendi muitas coisas com este aborto!
Impressionante como este fato é comum, mas só fiquei sabendo que não era a única depois do acontecido comigo! É taaaaaaaaaaaaaaaaaanta gente que já passou pela mesma coisa e que aparece pra solidarizar...
Em contra partida tem tanta gente esquisita que mesmo depois de uns 4 meses que tudo aconteceu, insiste em afagar sua barriga e perguntar: E este nenê, não vai crescer não???? Affffffffffffffffffff...

Aprendi a nunca mais nessa vida perguntar por uma gestação, quando no início! E, sempre que escuto que alguém abortou já aviso: Ela abortou! Pelo amor de Deus não pergunta NADA!!!! Nem se ela está bem, ok?
Aprendi também a só divulgar uma gravidez depois do Ultrassom da Translucência. A fase de maior risco já passou!

Aprendi que sou forte, acho que até mais que a imaginava... Meu casamento fortaleceu muito! Mas, não tem jeito! A mãe é mãe desde as 2 listrinhas boninas no teste de gravidez. Já o pai... precisa rolar uma química, sabe como?

Aprendi que não sou insubstituível na minha vida profissional! Mesmo que eu dê meu sangue... se você está doente, pegue um atestado!!!! Não trabalhe!!!! 
Nesta época, eu substituía minha gerente, que estava de férias no Hospital. Já trabalhávamos com um número reduzidíssimo de enfermeiros e sinceramente, nem passou pela minha cabeça pegar atestado médico. Trabalhei até o final , sem tirar nenhum diazinho... Me arrependo amargamente! Não pensando que se tivesse ficado em casa não teria acontecido nada! NÃO MESMO!!!! Mas sim, porque acho que ficamos esgotadas emocionalmente, e tem coisas que só uma cama e um travesseiro fazem pela gente...

Aprendi que tudo passa... O tempo não é nosso, e sim de Deus! E tudo tem a hora certa!!! 

E a minha hora chegou! No melhor momento da minha vida!!!!!

7 comentários:

  1. Lu, vc tem toda razão, tudo tem a hora certa. Pode ser difícil aceitar isso em muitos momentos, mas depois compreendemos melhor tudo aquilo e tiramos tantas lições! Parabéns pelo seu texto, emocionante!

    ResponderExcluir
  2. Nossa Lu, eu me emocionei muito com seu post... me coloquei em seu lugar! Não deve ter sido nada fácil!!
    Mas que linda essa última frase: "Aprendi que tudo passa... O tempo não é nosso, e sim de Deus! E tudo tem a hora certa!!!
    E a minha hora chegou! No melhor momento da minha vida!!!!!"
    Parabéns, grande mulher!!!
    Ah! E muito obrigada pelas felicitações de meu niver! :)
    Adoro Você Flor!

    ResponderExcluir
  3. Meninas lindas!
    Obrigada pelo carinho de sempre!!!
    Beijos..................

    ResponderExcluir
  4. É Lu (posso te chamar assim?), muito duro mesmo viver tudo isso. No meu caso a gestação foi interrompida bem antes, nem cheguei a fazer o ultrassom, não tive dores, só o sangramento, e ainda assim senti que perdia meu filho. Muito difícil. Graças a Deus, já passou. As marcas ficam, sempre ficam. Mas são elas que contam nossas histórias, não é?
    Obrigada pelo comentário lá no MMqD.
    Beijo,
    Ilana

    ResponderExcluir
  5. Lu!!! Nunca soube disso... Você é maravilhosa!!! Saudades!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bela, vc que é uma linda!!!!
      Beijos................

      Excluir
  6. Gente!!!
    Estréia no blog!
    Ilana!!!!
    Estou suuuuuper honrada com a sua presença por aqui!
    Seu blog é uma lindeza!!!
    Como eu disse, este momento é um daqueles que só quem passa entende a dimensão da dor que se passa...
    Beijo em vc, e volte sempre!!!!

    ResponderExcluir